quinta-feira, maio 19, 2016

Cunha vai ao Conselho de Ética e nega mais uma vez ter contas no exterior

O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), comparece ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF)
O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), comparece ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), para fazer sua defesa. Cunha é alvo de um processo por quebra de decoro por supostamente ter ocultado contas bancárias secretas no exterior e de ter mentido sobre a existência delas em depoimento à CPI da Petrobras - 19/05/201(Lucio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)
Afastado do mandato e da presidência da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) compareceu à Casa nesta quinta-feira para apresentar sua defesa ao Conselho de Ética. Na sessão, Cunha repetiu o roteiro já protagonizado desde novembro, quando o processo por quebra de decoro foi instaurado: dedicou-se a atacar os procedimentos do conselho, a rechaçar as acusações de realização de manobras que levam a sua ação a ser a mais demorada da história da Casa e a negar a manutenção de contas no exterior, que, conforme as investigações da Lava Jato, abrigaram dinheiro sujo do petrolão. "Os investimentos e os patrimônios não me pertenciam. Essa á a realidade. Eu não possuo investimentos e não há como haver prova que eu possuo", afirmou.
Cunha passou a ser alvo do Conselho de Ética após PSOL e Rede ingressarem com ação pedindo a perda do mandato por quebra de decoro parlamentar alegando que Cunha não prestou esclarecimentos sobre as suas contas bancárias secretas mantidas na Suíça. Pior: mentiu durante depoimento à CPI da Petrobras justamente por ter negado possuir contas no exterior. Aos membros do conselho, Cunha reiterou a declaração feita à comissão de inquérito e disse apenas ser ligado a um trust do qual o patrimônio não tinha a titularidade e não poderia movimentar nem dispor de bens.
"Eu não possuo investimentos. Se possuísse, certamente estariam declarados. O que eu possuo é como beneficiário de um trust. O trust é o detentor do patrimônio dos investimentos se por ventura existirem, do resultado e da perda do investimento", disse. "Nada é mais transparente do que um trust. Nele, você identifica quem é o beneficiário, a administração, quem é o responsável pela gestão", continuou Eduardo Cunha.
O presidente afastado ainda ponderou que os recursos dos trusts são advindos de rendimentos da década de 1980, quando exercia atividade de comércio exterior. O peemedebista afirmou que, à época, tinha vida pública. Ele mostrou aos membros do conselho passaporte que mostra a entrada dele em países onde mantinha negócios e negou a ilegalidade do dinheiro. "Os recursos não são objetos de fruto de qualquer vantagem indevida", disse.
Manobras - Durante a sessão, Cunha fez questão de negar a realização de manobras para obstruir os trabalhos do conselho - um dos argumentos usados pela Procuradoria-Geral da República para pedir seu afastamento do cargo. Ele apontou para um "jogo político que a todo momento acontece" e afirmou que diversas nulidades foram cometidas ao longo do processo, o que motivou a sequência de recursos apresentada por ele e seus aliados.
"Eu não tenho nenhum interesse com a prorrogação desse processo. Tenho interesse que ele ande com a celeridade e justiça e que me permita que o julgamento seja feito dentro dos parâmetros da legalidade", disse Cunha.
O peemedebista ainda voltou a mirar contra o relator da ação, o deputado Marcos Rogério (DEM-RO), e afirmou que vai contestar a sua continuidade no cargo. Isso porque Rogério, em março, deixou o PDT e migrou para o DEM, partido que fez parte do bloco de apoio à Cunha quando ele disputou a eleição pela presidência da Câmara. "Estamos diante de atos com consequências que sabemos que sua nulidade será arguida", afirmou.
A sessão desta quinta reservou um espaço especial para a audiência de Cunha. Diferentemente de todas as sessões do conselho até agora, que vinha se reunindo em um pequeno plenário, a sessão ocorreu em um dos maiores espaços da Câmara.

0 comentários:

Postar um comentário