quarta-feira, julho 06, 2016

Ex-presidente da Eletronuclear é alvo de nova operação da PF

O presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva
O ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva(Wilson Dias/Agência Brasil)
A Polícia Federal do Rio de Janeiro deflagrou na manhã desta quarta-feira a operação Pripyat para desmantelar uma quadrilha que atuava na Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras responsável pela geração de energia nuclear. Um dos principais alvos da operação é o almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, ex-presidente da estatal, que já foi detido na Lava Jato e hoje cumpre prisão domiciliar. Os outros alvos são ex-funcionários da empresa.
Ao todo, a PF cumpre nove mandados de prisão (seis de preventiva e três de temporária), nove de condução coercitiva e 26 de busca e apreensão nos Estados do Rio de Janeiro e Porto Alegre. A ação de hoje é um desdobramento da Lava Jato que apura um esquema de corrupção similar ao ocorrido na Petrobras no setor elétrico e é conduzida pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.
Pripyat é nome de uma cidade fantasma ucraniana que foi devastada após o acidente nuclear de Chernobyl. Os investigados são suspeitos dos crimes de corrupção, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.
A Lava-Jato chegou ao setor elétrico depois de o ex-executivo Dalton Avancini, da Camargo Corrêa, ter afirmado, em depoimentos prestados em delação premiada, que o cartel de empreiteiras formado na Petrobras continuava se reunindo para discutir o pagamento de propinas a dirigentes da Eletrobras e da Eletronuclear, mesmo depois do estouro das investigações sobre o petrolão. Othon Luiz Pinheiro da Silva e Flavio David Barra, presidente da Andrade Gutierrez Energia, foram presos na 16ª fase da Lava Jato, a Radioatividade, em julho do ano passado. Pinheiro atualmente estava em prisão domiciliar, enquanto Barra se tornou delator do escândalo do petrolão.

1 comentários:

  1. Na década de 80 tinha em Crateús a febre dos grupos de dança, um dos grupos mais conhecidos naquela época era o grupo Break Jackson e o grupo Menudos,quando passou a fase do break,os mesmos componentes do break Jackson formaram o grupo Menudos.

    Um dos componentes era eu, Marquinho da Rua Zacarias Carlos de Melo, o Temis filho do Kitola, o Netinho filho do Kitola, o Junior filho do seu Moacir da coletoria que tinha um Fiat 147 azul metálico, o Cici da Rua Moura Fé que o pai dele na época era gerente da São Gerardo empresa de Ônibus.

    Enfim, o meu singelo pedido a você é que você pudesse encontrar fotografias dessa época e colocasse no seu Blog.

    Para matar-nos a saudade dessa época tão memorável...


    Atenciosamente,

    Marquinho

    ResponderExcluir